IIndique este siteAAtualize seu currículo(49) 999442772(49) 36222887

443

 
Empresas Cadastradas 
Cadastre a sua

6733

 
Currículos Cadastrados 
Novidades / Os novos valores da Liderança
Página Anteirior
Os novos valores da Liderança

Os novos valores da Liderança

Em um treinamento, os participantes receberam uma lista com 50 palavras representando valores, sendo orientados a escolher um que melhor representasse o conceito de liderança. Entre todas as palavras, três ocuparam mais da metade das respostas, anotadas silenciosamente em papel para evitar influência do grupo. Nelas, os participantes deixaram claro o desalinhamento que muitas organizações ainda enfrentam quanto ao desenvolvimento de lideranças sintonizadas com as necessidades dos colaboradores.


Ao invés de valores como ação, visão, decisão, rapidez, direção, segurança, coragem – muito válidos, porém já óbvios quando o assunto é liderança – os valores que mais se destacaram foram a espiritualidade, o equilíbrio e a parceria, ou seja, valores que revelam a falta de sincronismo que diversos profissionais em funções gerenciais enfrentam com suas equipes.


Hoje nas empresas existem até quatro gerações de profissionais interagindo, distribuídas entre pessoas de 18 a 65 anos. Todas disputam o tempo, o espaço e a atenção dos seus gestores. Em maior quantidade estão  os nascidos entre 1966 e 1980 (geração X) e os nascidos entre 1981 e 2000 (geração Y), ocupando grande parte dos cargos e funções. Essa maioria até acata a liderança baseada em valores óbvios, porém não adere a ela de todo, principalmente quando não encontra um significado maior que o salário para o exercício de sua função.


Atualmente, liderar com base apenas em valores óbvios tem sido receita certa para a empresa que pretende tornar-se ultrapassada, já que, ao invés de líderes inspiradores ocupando papéis gerenciais, correrá o risco de manter nessas posições aqueles cujo ferramental compõe-se da pressão fora de medida, da centralização de informações e até mesmo o assédio moral, cujo limiar tornou-se ainda mais tênue nos últimos anos.


A espiritualidade – não religiosa, mas humanística – torna o líder não apenas um mero emissor de ordens, mas um orientador capaz de perceber o ambiente, compartilhando-o com seus liderados através de uma leitura mais real possível. O equilíbrio ajusta a distribuição de poder a cada um da equipe, estimulando-os, através da iniciativa, a assumirem papéis cada vez maiores. A parceria reflete na forma como o líder entra em simbiose com sua equipe. Referir-se à equipe como “30 pessoas abaixo de mim” ou “30 pessoas comigo”, torna evidente a diferença que existe entre o chefe que “empurra” sua liderança e o líder de verdade que, por mera circunstância de cargo, hoje está chefe.


Sobre o autor:

Eduardo Zugaib: é escritor, profissional de comunicação e marketing, professor de pós graduação, palestrante motivacional e comportamental. Ministra treinamento nas áreas de Desenvolvimento Humano e Performance Organizacional.



Fonte: RHevistaRH

XV de Novembro, 406, sala 101
Próximo ao calçadão
São Miguel do Oeste - SC
(49) 999442772
(49) 36222887

Este site também pode ser acessado via iPad/Tablet. Mais mobilidade para você.